TÍTULOS PUBLICADOS

NA COLECÇÃO AMPLA: 029. Tempo da impaciência, Miguel Filipe Mochila; 028. Bruma Luminosíssima, Luís Falcão; 027. Primeiro Direito, Vasco Gato; 026. Calendário, Daniel Francoy; 025. Mera Distância, Luís Amorim de Sousa; 024. Um pouco acima do lugar onde melhor se escuta o coração, Andreia C. Faria; 023. O Sangue das Flores, Rute Castro; 022. Turismo de guerra, Tiago Patrício; 021. Romance ou falência, Luís Pedroso; 020. 67, Rue Greneta, Isabel Nogueira; 019. Uma fonte no quintal, Eric Weinstein, Jeremy Schmall, Katherine Larson, Stephen Motika & Tracy K. Smith; 018. Não tenho olhar mas mamilos que endurecem quando alguém me olha, Zeferino Mota; 017. Doze Passos Atrás, Frederico Pedreira; 016. Supremo 16/70, Miguel-Manso; 015. GKJMA, João Silveira; 014. Na ordem do dia, João Vasco Coelho; 013. Miniatura, Simão Valente; 012. Quinteto, Catarina Barros, Tatiana Faia, Maria João Lopes Fernandes, Frederico Pedreira e Paulo Tavares, 011. Elegias de Cronos, Nuno Dempster; 010. Isso passa, João Miguel Henriques; 009. Lugano, Tatiana Faia, 008. Dever/Haver, João Silveira; 007. O comportamento das paisagens, Pedro Tiago; 006. Breve passagem pelo fogo, Frederico Pedreira; 005. o som a casa, Luís Felício; 004. Sob os teus pés a terra, Soledade Santos; 003. As junções, Hugo Milhanas Machado; 002. Em cidade estranha, Daniel Francoy; 001. Minimal Existencial, Paulo Tavares. NA COLECÇÃO ÍTACA: 003. Estradas Secundárias: doze poetas irlandeses, AAVV (tradução de Hugo Pinto Santos); 002. Édipo, Séneca (tradução de Ricardo Duarte); 001. Agamémnon, Ésquilo (tradução de José Pedro Moreira); REVISTA AGIO: 001. AAVV, Fevereiro de 2011.

Desconto de 10% e oferta de portes de envio em encomendas online para: ed.artefacto@gmail.com

04/10/11

Sobre «Dever/Haver»



«estás debaixo de terra
e dizem-te que é de noite.
não há luz.
não há sol.
é de noite, filha,
dizem-to como mo disseram a mim em criança.
esta noite, este túnel,
sempre me assombrou, Mariana
(a tua mãe disse-o agora, o teu nome).

é de noite, Mariana
e por isso não há sol,
não há luz,
só cimento e carris
e guinchos vindos do escuro.
acham-te curiosa por não saberes porque é noite.
eles também não sabem.
adeus é para os mortos, continuam,
sorrindo sem saber o que foi feiro do céu.

é tudo mentira.
não é de noite.
o sol não morre assim.
e um adeus muitas vezes a quem nos sobrevive.»


não é muito comum encontrar textos com a força expressiva deste poema. a omissão do contexto narrativo, a sobreposição de registos, uma quase contraditória secura dos enunciados, conjugam-se para produzir uma sensação de perturbação que o final do texto não dilui. é uma poesia sensível a deste livro. sensível enquanto não rejeita o lirismo de que este poema é exemplo, e sensível porque assenta sobre um trabalho atento e cuidado da língua. é ainda sensível porque quase todos os textos implicam a presença física de um olhar que vê e de um corpo que sente. fome ou frio, o escuro ou o som de um uivo. nos melhores textos, encontramos aqui uma força expressiva que é raro encontrar na poesia recente. [continuar a ler]

H. G. Cancela, no blogue Contra Mundum
sobre Dever/Haver, de João Silveira, Edições Artefacto